Passar para o Conteúdo Principal

município

logo Paredes

tomadaposse

siga-nos Facebook Instagram RSS feed

APONTAMENTO DA NOSSA HISTÓRIA OS LUGARES NA MONOGRAFIA DE PAREDES (1922-1924) DE JOSÉ DO BARREIRO

APONTAMENTO DA NOSSA HISTÓRIA  OS LUGARES NA MONOGRAFIA DE PAREDES (1922-1924) DE JOSÉ DO BARREIRO
lista_alfabetica_lugares_01
lista_alfabetica_lugares_02
lista_alfabetica_lugares_03
lista_alfabetica_lugares_04
lista_alfabetica_lugares_05
mapa_estradas_paredes
planta_vila_paredes
17 Novembro 2022

José do Barreiro, pseudónimo do nome de nascimento, José Corrêa Pacheco, nasceu a 12 de maio de 1857 na Casa do Barreiro, em Santa Maria Madalena, concelho de Paredes, é uma personalidade de referência para este concelho. O seu interesse e gosto pela sua localidade, a curiosidade na descoberta, no registo, divulgação e perpetuação da história local, conduziu-o à realização de um trabalho exaustivo de recolha de informação que culminou na publicação da Monografia de Paredes, em 1922.

Apesar de formado em Direito pela Universidade de Coimbra reconhecia as suas limitações nalguns domínios como por exemplo, da história, da arqueologia, do património e da linguística, pelo que não se coibia de consultar e questionar estudiosos e especialistas nas diferentes áreas do saber. Para além disso, aceitou achegas e correções por parte de diferentes observadores e publica-as numa adenda em 1924.

Refira-se que o objetivo foi dar a conhecer o concelho de Paredes fomentando a divulgação da obra através da oferta dos exemplares editados, por forma que chegasse ao maior número de famílias e assim se perpetuasse o conhecimento da história e das gentes do concelho de Paredes.

Para além do conteúdo explanado resultante da pesquisa bibliográfica e documental considerável, o autor usou uma estrutura hierárquica dos lugares que permite ao leitor, uma compreensão mais clara e objetiva do território e da sua história.

Ora vejamos:

O título é por si só a apresentação do grande lugar geográfico que é Paredes. De facto, o autor centra toda a sua narrativa dentro dos limites administrativos, definidos à época como território do concelho de Paredes. A partir da apresentação deste grande lugar, e para melhor compreensão, quer administrativa como histórica, subdivide a abordagem por freguesias. Na altura havia 24 freguesias, cuja análise individual permite-nos conhecer e compreender as especificidades da cada uma, do ponto de vista histórico, patrimonial, social, económico e cultural. Dentro de cada freguesia, são, ainda, identificados os lugares, indicadores toponímicos de extrema importância para localizar vestígios arqueológicos e compreender a história evolutiva do sítio, nem sempre sobreviventes com a substituição por nomes de ruas. Enquanto os lugares definiam uma micro área territorial, as ruas são espacialmente mais limitadas. José do Barreiro teve o cuidado de apresentar uma “Lista alfabética dos lugares com indicações das freguesias a que pertencem”, na qual identifica, ao todo, 747 lugares. Mas, o autor, ao longo do estudo monográfico, refere, ainda, o que designamos por micro topónimos. Estes podem ser considerados como micro lugares, conhecidos ou identificada a sua existência, através da informação oral e pesquisa nos registos prediais, pois, designam nomes de prédios rústicos, campos, leiras e matas.

Perante a toponímia dos lugares, o autor oferece-nos, ainda, uma análise etimológica quanto à possível origem da palavra, proporcionando uma melhor compreensão do seu potencial significado e contributo para identidade cultural dos lugares. Porém, reconhecendo que a leitura etimológica era uma novidade incluída na monografia, bem como, admitindo as suas limitações no domínio da filologia, recorreu à ajuda de pessoas conhecedoras dessa matéria, obtendo alguns contributos, nomeadamente de Carolina Michaelis de Vasconcellos, de José Leite de Vasconcelos e ainda, esclarecimentos por parte de estudiosos como, Joaquim Martins dos Santos Rocha e de Adriano Strecht Vasconcelos.

Deste modo, José do Barreiro sabia que o nome de um lugar tinha sempre uma razão de ser, pelo que o seu o conhecimento e compreensão era a forma de perpetuar a história, as pessoas e os usos e costumes dos paredenses.

Novembro 2022

Antónia Silva

Bibliografia

BARREIRO, José (1922) – Monografia de Paredes. Porto: Tipografia Mendonça ( A Vapôr) de Laura Couto & Pinto

BARREIRO, José (1924) – Monografia de Paredes. Correcções e Acrescentos. Porto: Papelaria e Tipografia de Barros & Costa.

Top