Passar para o Conteúdo Principal

município

logo Paredes

mq1

siga-nos Facebook Instagram RSS feed

Município de Paredes avança com construção de habitação social para acabar com as barracas no centro da cidade

Município de Paredes avança com construção de habitação social para acabar com as barracas no cen...
136095200_5075021189205336_3800389652074959840_o
137199092_5075022199205235_7805881980946984916_o
135870745_5075022355871886_5448202406853658487_o
136028356_5075020095872112_5980091700525075956_o
136068455_5075020089205446_7486510759061599529_o
136967761_5075019295872192_2510280570608155429_o
136056558_5075022492538539_7860032441362133611_o
136195070_5075019855872136_4752917524020488166_o
136060339_5075021195872002_448197524813013047_o
06 Janeiro 2021

Decorreu hoje, 6 de janeiro, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Paredes, a cerimónia de assinatura do Acordo de Colaboração no âmbito do 1.º Direito para o Município de Paredes, acordo que vai permitir, numa primeira fase, a construção de habitação social condigna para alojar 26 famílias e cerca de uma centena de pessoas da comunidade cigana residente no acampamento de Valbom, em Paredes.

O Presidente da Câmara Municipal de Paredes, Alexandre Almeida, e a Secretária de Estado da Habitação, Marina Gonçalves, participam na Cerimónia de homologação do Acordo de Colaboração no âmbito do 1.º Direito para o Município de Paredes.

A sessão contou também com a presença do Secretário de Estado da Descentralização e da Administração Local, Jorge Botelho, da Presidente do Conselho Diretivo do IHRU, Isabel Dias, do Vice-Presidente da autarquia, Francisco Leal, da Vereadora Beatriz Meireles, dos Vereadores Paulo Silva e Elias Barros e do Presidente da Junta de Paredes, Artur Silva.

O Presidente do Município, Alexandre Almeida, sublinhou que "nesta primeira fase será para resolver um grave problema de falta de condições de habitabilidade que existe no nosso concelho há mais de 20 anos". Segundo o autarca "depois da assinatura deste protocolo estão criadas as condições para que esta obra comece a nascer ainda este ano". As obras estão orçadas em 3 milhões de euros.

Numa segunda fase, na qual a autarquia está já a trabalhar, com o apoio das IPSS e juntas de freguesia, "queremos apostar em mais habitação social noutras partes do Concelho e ajudaremos a submeter candidaturas individuais de munícipes como beneficiários diretos", referiu Alexandre Almeida.

Top